Cidades - MT Destaque Agora

Associação diz que PM fez devassa em casa de defensor público que teve festa com aglomeração fechada

A Associação Mato-grossense das Defensoras e Defensores Públicos (AMDEP) emitiu uma nota manifestando apoio ao defensor público Leandro Jesus Pizarro Torrano, de 34 anos, após a Polícia Militar fechar uma festa na casa dele, na madrugada deste domingo (25), em Sinop (500km de Cuiabá).
PUBLICIDADE
Na ocasião, foi encontrada uma porção de maconha na bolsa de uma das convidadas e a arma do defensor, com registro vencido. O defensor afirma que a quantidade de pessoas que consta no boletim de ocorrência está errada, e diz, ainda, que não tem nenhum envolvimento com a droga.

Conforme a nota da AMDEP, a PM foi acionada para uma ocorrência de suposta perturbação ao sossego, tão somente, não se tratando de ocorrência relacionada a infração de normas sanitárias ou de saúde.

Ainda segundo a Associação, a PM fez uma ‘devassa indiscriminada na residência de Leandro. “Houve o ingresso da guarnição policial na residência e verdadeira devassa indiscriminada e injustificada nos ambientes do imóvel, cujas circunstâncias serão rigorosamente apuradas a luz do ordenamento jurídico, notadamente levando em consideração a natureza da ocorrência”, acrescenta.

O mesmo foi dito pelo defensor em entrevista ao Olhar Direto. “A Polícia revirou minha casa inteira. Sou defensor público há 11 anos, única coisa que eu tenho é buscar leito para pessoas carentes, minha reputação nunca fui manchada, eu repudio drogas pelo estudo que tenho. Não foi encontrado drogas na minha casa, apenas uma das meninas, que foi convidada por um amigo, estava com droga dentro a bolsa pessoal dela”. 

Leandro ainda justificou que realizou a aglomeração em sua casa, e que a atitude não tem ligação com sua profissão, e não deve envolver a defensoria pública. “Eu estava fazendo uma aglomeração dentro da minha casa, não foi o Leandro defensor que fez isso, vão me trazer um dano grande. Eu tenho família, tenho história dentro da minha carreira”, lamentou.

Depois de ser encaminhado para delegacia, Leandro foi liberado.

“A ocorrência registrada junto a Delegacia de Polícia Judiciária Civil foi apenas de perturbação ao sossego, fato esse que demonstra, a princípio, que não houve a infringência de normas sanitárias ou de saúde por parte do defensor público Leandro Jesus Pizarro Torrano”, afirma a nota. 

A associação citou ainda que Leandro é um profissional extremamente dedicado, com inúmeros trabalhados realizados em favor da população mais vulnerável, de repercussão estadual, sendo admirado por seus pares.

Por fim, a AMDEP repudia matérias de cunho sensacionalista, que desbordem da finalidade informativa e coloca-se a disposição do defensor.

OLHAR DIRETO

Deixe um comentário