Chefe de MPE é a favor de arquivamento de ação contra Maggi

José Antonio Borges, porém, pediu continuidade de ação contra Humberto Bosaipo, José Riva e outros
Compartilhe informação
MidiaNews – O procurador-geral do Ministério Público, José Antonio Borges

COMPRA DE VAGA NO TCE

O Ministério Público Estadual (MPE) se manifestou a favor do arquivamento de uma ação por improbidade administrativa contra o ex-governador Blairo Maggi (PP) por suposta venda de uma cadeira no Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O pedido é assinado pelo procurador-geral da Justiça, José Antônio Borges. 

A manifestação foi dada na semana passada em um recurso ingressado pelo ex-governador contra decisão da Vara Especializada em Ações Coletivas que negou a prescrição da ação com base na nova Lei de Improbidade Administrativa.

O agravo de instrumento, recurso usado por Blairo, agora será julgado pelo desembargador Luiz Carlos da Costa, da 2ª Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça. 

Além de Blairo, também respondem a ação o conselheiro Sergio Ricardo, os ex-conselheiros Humberto Bosaipo e Alencar Soares, o ex-secretário Eder Moraes (Fazenda), os empresários Gercio Marcelino Mendonça Júnior e Leandro Soares e o ex-deputado José Riva. Contra esses, o chefe do MPE é a favor da continuidade da ação. 

No documento, Borges se declarou contra a prescrição da ação com base na nova Lei de Improbidade Administrativa, mas se manifestou a favor do arquivamento da ação em relação à Blairo Maggi por conta de uma decisão de Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) que extinguiu um processo criminal que investigava o ex-governador pelos mesmos fatos. 

O TRF-1 reconheceu “a inexistência de ato de ofício concreto [praticado com infringência de dever funcional],  entre o paciente [Blairo Maggi] e as condutas supostamente delitivas, bem como de elementos de convicção que comprovem sua participação”. 


Conforme o procurador-geral, a Lei nº. 14.230/2021 estabelece que as sentenças civis e penais devem produzir efeitos em relação à ação de improbidade quando concluírem pela inexistência da conduta ou pela negativa da autoria do acusado. 

MidiaNews

O ex-governador e ex-ministro Blairo Maggi: parecer favorável do MPE

Borges citou ainda que a decisão do TRF-1 foi usada pelo juízo da 5ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado de Mato Grosso para trancar a ação penal em relação ao conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Sérgio Ricardo, pelos mesmos fatos. 

“Portanto, havendo a identidade dos fatos objeto da referida ação de improbidade e da ação penal trancada, circunstância inclusive já reconhecida pelo r. Juízo a quo, forçoso considerar que o julgamento do HC, no qual restou reconhecida a atipicidade e a ausência de conduta a ser imputada ao agravante Blairo Maggi, produzirá efeitos em relação à citada ação de improbidade”, escreveu.

“Sendo assim, verifica-se que o trancamento da ação penal com base nos fundamentos contidos no acórdão do HC impetrado por Blairo Maggi encontram-se abrangidos […] devendo os mencionados autos avançar somente em relação aos demais réus”, acrescentou.

Pedido negado na 1ª instância

Na decisão, o juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ações Coletivas,  afirmou que o fato do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) ter extinguido o processo criminal que investigava Blairo Maggi pelos mesmos fatos, por falta de provas, não é, por si só, apto a impedir o trâmite da ação civil por improbidade administrativa, pois as circunstâncias elementares dos tipos são distintas.

O magistrado explicou que o TRF entendeu que a suposta oferta ou promessa de vantagem feita pelo então governado ao então conselheiro Alencar Soares a fim de que ele “retardasse” a sua aposentadoria não se amoldaria a prática de uma conduta finalística ligada a função pública, “pois a manutenção ou não do vínculo do agente com a administração pública decorre da vontade unilateral, tratando-se de liberalidade, não ligada a prática de ato funcional”.

No entanto, segundo ele, na improbidade administrativa o terceiro que concorre para o enriquecimento ilícito do servidor público responde pelo mesmo tipo improbo deste, na condição de coautor ou partícipe do fato.

“A lei de improbidade não impõe para a subsunção da conduta ao tipo improbo que a vantagem se relacione a prática de um ato de ofício por parte do servidor, mas apenas que a vantagem tenha sido auferida em razão da função pública desempenhada pelo agente”, escreveu.

“Portanto, se existem circunstâncias elementares essenciais a diferenciar o crime de corrupção ativa (art. 333 do CP) com o ato ímprobo de enriquecimento ilícito (art. 9º da LIA), conclui-se que o reconhecimento da atipicidade de um não poderá vincular o outro, sob pena de ofensa direta ao art. 37, §4º, da Constituição Federal”, decidiu.

O caso

O esquema de venda e compra de vaga no TCE-MT teria iniciado em 2009. Segundo o MPF, naquele ano Alencar Soares teria recebido R$ 2,5 milhões de Sérgio Ricardo para lhe ceder a vaga.

Ocorre que depois Alencar Soares teria aceitado outra proposta do então governador Blairo Maggi e de seu secretário de Fazenda Éder Moraes para continuar no cargo. O objetivo desse novo acordo era assegurar que Éder Moraes e não Sérgio Ricardo fosse indicado para o TCE. De acordo com a denúncia, naquele momento, foram repassados R$ 4 milhões ao conselheiro.

Ao Ministério Público Federal, Éder Moraes disse que “algum tempo depois, tomou conhecimento de que Sérgio Ricardo e Alencar Soares teriam voltado a negociar a vaga no Tribunal de Contas”.

Disse também que não se opôs à medida porque a vaga era da Assembleia Legislativa.

No total, a suspeita é de que o esquema custou cerca de R$ 12 milhões.

Os valores teriam sido desviados da Assembleia Legislativa ou do Executivo por meio de estratégias como contratações simuladas de serviços que jamais foram prestados.

THAIZA ASSUNÇÃO
MIDIA NEWS

Participe de nosso grupo no WhatsApp
Entre Clicando no botão
 

 

Parceiros

     

 

 

Compartilhe informação
Veja também