Chefe do MP detona grileiros e índios por destruição da Amazônia

Compartilhe Nossas Notícias

FELIPE LEONEL

DA REDAÇÃO

O procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, detonou a destruição da Amazônia, segundo ele, provocada por grileiros, garimpeiros ilegais, invasores de terras públicas e índios. A declaração foi dada durante cerimônia de posse de recondução ao cargo na tarde desta quarta-feira (10).

Essa destruição da Amazônia não é feita por empresários que pagam seus impostos e são a locomotiva da economia brasileira, mas sim por 1% de grileiros, garimpeiros ilegais e invasores de terras públicas e indígenas”, disse.

Na ocasião, Borges lembrou que organizações internacionais apontam que se a destruição da Amazônia continuar neste ritmo, a região vai ‘virar deserto’ até o ano de 2030. Ele ainda pediu ajuda ao governador Mauro Mendes (DEM) para conter a destruição do bioma.

Desde já peço seu apoio, Governador, para salvarmos a economia do Estado, ameaçada pela desertificação, que acabará com nossa produção agrícola”, afirmou.

José Antônio Borges ainda afirmou que vai nomear mais dois promotores com expertise ambiental para o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) para intensificar o combate ao desmatamento em Mato Grosso. O órgão tem o projeto ‘Olhos da Mata’, que usa imagens de satélite para localizar queimadas e desmatamentos.

Repórter MT


Compartilhe Nossas Notícias