Cidades - MT

Cuiabá é a capital que menos conseguiu evitar mortes por covid

Dados são de um indicador criado pelo Instituto Votorantim, que considerou aspectos da população, da economia e ações dos governos

(Foto: Ednilson Aguiar/O Livre)

Cuiabá foi a Capital brasileira que mais falhou no combate a mortes pela covid-19. A afirmação é de um índice desenvolvido pelo Instituto Votorantim cujos resultados foram divulgados na última sexta-feira (10).

O instituto levou em consideração dados sobre a população – como o percentual de pessoas idosas e inscritas no Cadastro Único do governo federal -, sobre a economia e também as ações adotadas pela adminsitração pública durante a pandemia.

A constatação foi de que Cuiabá acabou tendo mais mortes pela doença do que seria esperado.

O ranking das cinco Capitais que mais falharam nesse quesito ainda inclue Manaus (AM), na segunda colocação, seguida por Porto Velho (RO), João Pessoa (PB) e o Rio de Janeiro (RJ).

O mais curioso do levantamento feito pelo instituto é que Cuiabá e Porto Velho também aparecem entre as capitais que melhor orientaram suas populações sobre medidas de prevenção à doença.

Neste ponto, Porto Velho aparece em segundo lugar, atrás somente de Florianópolis (SC), e Cuiabá em quarto, atrás de Palmas (TO). A quinta colocada foi São Luiz (MA).

As cidades mais eficazes

Ainda de acordo com os dados do Instituto Votorantim, Florianópolis foi a Capital brasileira que melhor enfrentou a pandemia. Ela lidera as listas das que se mostraram menos vulneráveis – orientando sua população sobre que medidas de prevenção tomar – e que tiveram menos mortes.

Quando consideradas todas as cidades brasileiras neste ranking, aparece uma cidade de Mato Grosso: Santa Rita do Trivelato (345 km de Cuiabá) foi a terceira colocada.

A cidade, que tem aproximadamente 3,6 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou atras somente de Gavião Peixoto, localizada no interior de São Paulo, e da campeã entre as capitais, Florianópolis.

(Com informações da CNN Brasil)

O Livre

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui