Detentos transmitem ao vivo rebelião em penitenciária

Compartilhe Nossas Notícias

ISTOÉ

Detentos do Complexo Penitenciário de Aparecida de Goiânia, em Goiás, transmitiram ao vivo pelas redes sociais um princípio de rebelião nesta sexta-feira (19).

Com o motim, três presos sofreram ferimentos leves. De acordo com a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária, não há registros de mortes.

Até o momento, não se sabe o que motivou a rebelião na Ala A da penitenciária. O motim começou durante o banho de sol dos detentos. O Grupo de Operações Penitenciarias Especiais (Gope) foi acionado, e negociou com os presidiários, que se renderam.

Uso de celulares

Nas imagens registradas, é possível ver que os detentos têm livre acesso a celulares. Eles pedem melhores condições e afirmam que a polícia atirou contra eles e matou dois presidiários.

Através dos registros da transmissão ao vivo, é possível ver os presos queimando colchões, e pedindo a saída do diretor do presídio. “Tira o diretor”, gritam os detentos. O presidiário responsável pela transmissão afirma diversas vezes: “Eles querem matar nós”.

As autoridades investigam se o motim tem relação com a morte de um policial penal que atuava no complexo. O agente penitenciário era Elias de Souza Silva, de 38 anos, que foi executado na manhã da última quinta-feira (18), depois de ter recusado suborno de detentos do complexo.

Os presidiários ofereceram R$ 5 mil para que a vítima devolvesse três celulares apreendidos durante uma operação dentro do presídio. Elias negou o suborno e virou alvo dos detentos. Dias depois da recusa, a esposa do agente, Ana Paula, foi buscá-lo no final do expediente e, na volta para a casa, o carro em que estavam foi cercado e o casal foi executado dentro do veículo.

 

Repórter MT


Compartilhe Nossas Notícias