DEU NA GAZETA: Estado é obrigado a pagar medicação de R$ 200 mil a paciente com câncer

Familiares e amigos de Neide estão organizando evento no dia 18 de junho, na comunidade de Cachoeirinha, município de Rosário Oeste, 3 eventos beneficentes para arrecadar valores
Compartilhe informação
Reprodução

Fonte: Gazeta Digital

A Secretaria de Estado de Saúde tem 5 dias para fornecer medicação de alto custo a paciente oncológico. A determinação é do juiz José Lindote, da 1ª Vara de Fazenda Pública de Várzea Grande, e atende a ação movida pela Defensoria Pública. A decisão é de quarta-feira (8) e o prazo conta à partir da notificação. Além disso, a família também faz campanhas para arrecadar dinheiro e custear as demais despesas.

Diagnostica com câncer agressivo no fígado, a paciente Neide de Oliveira Barros, 45, precisa tomar atezolizumabe 1.200 mg e bevacizumabe 800mg por 2 meses. O tratamento custa R$ 200 mil e a mulher não tem condições de pagar.

A decisão manda que a paciente será atendida até a regressão da doença, segundo orientação médica. Lindote determina ainda que, caso seja necessário o uso hospitalar do medicamento, que o tratamento seja feito prioritariamente nos hospitais Geral de Cuiabá; do Câncer de Mato Grosso ou na Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá.

Todas as unidades hospitalares citadas pelo juiz são habilitadas pelo Sistema Único de Saúde como centro de assistência de alta complexidade em oncologia (Cacon) e como unidades de assistência de alta complexidade em oncologia (Unacon). “A presente decisão serve como autorização e dispensa a expedição de mandado”, determina.

O juiz decidiu também que a Secretaria de Saúde, cumpra a decisão, devendo fazer a comprovação, sob pena de cometimento de ato atentatório à dignidade da justiça e autoriza que a decisão seja encaminhada por malote digital ao Estado.

Diagnóstico – A servidora da Defensoria Pública e filha de Neide, Nazlla Ourives Silva, explica que o diagnóstico da mãe foi dado no dia 21 de maio, após ela apresentar fortes dores nas costas e na barriga.

“Desde o começo de maio ela sentia dores, até que um dia, não suportando a intensidade, procurou um médico. E o diagnóstico foi de que, diante da fragilidade do órgão, não dá para operar, nem fazer quimioterapia, nem transplante. A medicação é para ela ter uma chance do tumor reduzir e então, fazer a cirurgia de retirada. Ela já tinha que estar tomando o remédio, a cada 21 dias. Mas, o SUS não o fornece”, explica.

Nazllaa afirma que diante do susto da notícia, a família busca vender bens, fazer bingo e eventos para conseguir arrecadar valores para iniciar o mais rápido possível o tratamento da mãe. “Meu pai já achou comprador para o seu carro, estamos pedindo doações e organizando eventos para, assim que alcançarmos os primeiros R$ 66 mil, comprar os remédios para ao menos um mês”, conta esperançosa.

Força Tarefa

A família e os amigos de Neide estão organizando no dia 18 de junho, na comunidade de Cachoeirinha, município de Rosário Oeste, 3 eventos beneficentes para arrecadar valores: Bingo, Torneio de Futebol Society e Almoço com sorteio de brindes.

Os interessados em saber como ajudar na doação de brindes para o almoço podem entrar em contato com: Joanice: (65) 99608 9947; Zita: (65) 99994 5100.

Para saber dos eventos e fazer doações por Pix: 65984486151 Nazlla Silva.

“A única medicação que minha mãe está fazendo uso agora é de dipirona e buscopan para não afetar o rim dela com medicamentos mais fortes. É uma sensação horrível de impotência por não podermos fazer muita coisa. Então, pedimos, quem puder nos ajudar, estamos precisando”, diz Nazlla.

Participe de nosso grupo no WhatsApp
Entre Clicando no botão
 

 

Parceiros

     

 

 

Compartilhe informação
Veja também