Dólar dispara, Bolsa cai e ações da Petrobras “”derretem””

Compartilhe Nossas Notícias

ESTADO DE MINAS

No primeiro dia útil após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicar o general Joaquim Silva e Luna novo presidente da Petrobras, na sexta-feira (19/02) à noite, a Bolsa de São Paulo (Bovespa) caiu mais de 4% na abertura do pregão nesta segunda-feira (22/02), e o dólar disparou, chegando perto dos R$ 5,50, pressionados por derretimento de 18% nas ações da maior empresa e estatal brasileira e uma das maiores do mundo.

De acordo com analistas que estão se manifestando freneticamente nas redes sociais, em entrevistas aos meios de comunicação brasileiros e internacionais, como de praxe nessas ocasiões de grande oscilação no mercado financeiro,  esse cenário deverá se manter durante todo o diade hoje.

Ou seja, esta segunda-feira (22/02) promete ser de ”pregão nervoso” após o presidente Jair Bolsonaro cumprir suas ameaças e indicar um general para a presidência da Petrobras em substituição a Roberto Castello Branco.

A decisão de Bolsonaro aconteceu em meio a sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis. Em especial o óleo diesel,  que é fator preponderante para caminhoneiros e preço do frete do principal meio de transporte de mercadorias no Brasil. 

Previsão de mais queda

Bolsonaro já avisou que nesta semana haverá mais trocas na Petrobras e também sinalizou mudanças no setor elétrico. 

As interferências colocam a confiança do país em xeque e até mesmo a situação do ministro da Economia,  Paulo Guedes, em um governo que dá demonstrações de estar trocando a cartilha do liberalismo a a do populismo.

 Prejuízo

Para se ter uma ideia do tamanho do estrago provocado por Bolsonaro, antes mesmo de anunciar o nome do general, na quinta-feira (18/02), em live semanal nas redes sociais, quando ventilou mudanças na Petrobras: O resultado foi um clima de alerta geral no mercado, no dia seguinte, que implodiu as ações da petroleira em quase 8%.

O índice, que rumava para uma semana de ganhos, terminou em queda de 0,64%, com desvalorização para uma empresa que está sendo fatiada e privatizada no governo Bolsonaro a toque de caixa neste governo.

Repórter MT


Compartilhe Nossas Notícias