“Estou indignada; desqualificar crime é inconcebível”, diz mãe

Patrícia Guimarães Ramos, mãe de Isabele, criticou TJ por soltura da jovem que atirou em sua filha
Compartilhe informação
Pietra Nóbrega/MidiaNews – A empresária Patrícia Guimarães Ramos, mãe da adolescente Isabele Ramos

CASO ISABELE

A empresária Patrícia Guimarães Ramos, mãe da adolescente Isabele Ramos, morta com um tiro no rosto disparado pela melhor amiga, classificou como absurda a decisão do Tribunal de Justiça que votou favorável à soltura da atiradora.

A decisão, em um recurso de apelação da defesa, foi dada durante sessão da Terceira Câmara Criminal na tarde de quarta-feira (8).

A menor que atirou em Isabele estava internada no Complexo Pomeri, em Cuiabá, desde o dia 19 de janeiro de 2021, após ser condenada a 3 anos de internação por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Os desembargadores da Terceira Câmara Criminal, porém, mudaram o entendimento sobre o caso, alterando o crime de homicídio doloso para culposo, quando não há intenção de matar. Em razão desta mudança, determinaram então a soltura da menor. 

“Desqualificar esse crime de doloso para culposo é inconcebível. Não vou me calar diante de tamanho absurdo”, escreveu Patrícia no Instagram.

Ainda na publicação, a empresária afirmou que está “indignada, surpresa e aflita” com a soltura da adolescente e deu a entender que o assassinato de Isabele ocorreu de forma premeditada, sem chance de defesa para a jovem.

“Estou indignada, surpresa, aflita… Minha filha não foi morta com uma arma de gatilho simples, mas uma arma que teve quer ser municiada, alimentada e carregada e a atiradora era perita nisso”, afirmou.

“Foi morta sem qualquer chance de defesa”, acrescentou.

VITÓRIA GOMES
DO MIDIA NEWS

Participe de nosso grupo no WhatsApp
Entre Clicando no botão
 

 

Parceiros

     

 

 

Compartilhe informação
Veja também