Gasolina deve baixar R$ 1,70 em MT após sanção de projeto que limita ICMS

Para vice-presidente do Sindipetroleo, projeções apontam queda de cerca de R$ 1,70 para a gasolina e R$ 0,80 para o diesel em Mato Grosso.
Compartilhe informação
Reprodução – Preço da gasolina e do diesel em Mato Grosso devem ter queda para consumidor

Com a aprovação do projeto que limita as alíquotas de ICMS em 17% para combustíveis, energia elétrica e gás natural, aprovado em votação final na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (15), mato-grossenses já começam a se questionar se realmente o preço deve diminuir nas bombas.

Para Claudyson Martins Alves, vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Mato Grosso (Sindipetroleo), as projeções apontam uma queda de pelo menos R$ 1,70 para a gasolina e R$ 0,80 para o diesel em Mato Grosso.

“Só que até eles resolverem essa questão e o projeto ser sancionado, deve ter um novo aumento da Petrobrás e o combustível lá na frente pode ficar no mesmo patamar de hoje. A redução vai chegar na bomba, mas nós sabemos que o preço pode subir ainda”.

Para o vice-presidente, o projeto é essencial. “Se o governo não fizesse isso, o preço ia ficar ainda mais alto. O povo ia ficar louco. O preço do combustível vai cair. E com ele caindo, aumenta o consumo e isso é bom”, conclui.

O projeto

A proposta determina a aplicação de alíquotas de ICMS pelo piso, em geral 17% ou 18%, para produtos e serviços essenciais quando incidente sobre bens e serviços relacionados aos combustíveis, ao gás natural, à energia elétrica, às comunicações e ao transporte coletivo.

Haverá, até 31 de dezembro, uma compensação paga pelo governo federal aos estados e aos municípios pela perda de arrecadação do ICMS, por meio de descontos em parcelas de dívidas refinanciadas dos entes junto à União. O ICMS é o principal tributo estadual e parte dele é repassada aos municípios.

Na sessão deliberativa de hoje, o Plenário da Câmara dos Deputados aprovou o parecer do relator, deputado Elmar Nascimento (União-BA). Ele foi favorável, parcial ou totalmente, a 9 das 15 emendas do Senado ao PLP 18/22.

O texto segue agora para sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL).

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT

Participe de nosso grupo no WhatsApp
Entre Clicando no botão
 

 

Parceiros

     

 

 

Compartilhe informação
Veja também