Lockdown em Cuiabá: juiz dá 72 horas para Estado e Prefeitura se manifestarem

Compartilhe Nossas Notícias

Pedido do Ministério Público é para que atividades “não-essenciais” sejam fechadas para conter efeitos da pandemia

O juiz da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, Bruno D’ Oliveira Marques, decidiu na tarde desta quinta-feira (1º) conceder prazo de 72 horas ao governo do Estado e a Prefeitura de Cuiabá antes de decidir a respeito do pedido de liminar do Ministério Público Estadual (MPE) que requer a suspensão de atividades “não-essenciais” do comércio sob pretexto de conter a disseminação do coronavírus.

No rol de atividades “não-essenciais” elencadas pelo MP estão templos religiosos, academias de ginástica, barbearias e salões de beleza.

O magistrado decidiu que não há elementos suficientes para decidir sem antes ouvir as partes interessadas.

Na quarta-feira (30), a presidente do Tribunal de Justiça, desembargadora Maria Helena Póvoas, acolheu pedido do governo do Estado para que seja realizada uma audiência de conciliação com os municípios para decidir sobre o horário de funcionamento do comércio e outras regras de restrição social. Ainda não há data marcada.

Ontem, milhares de cuiabanos realizam uma carreata exigindo o fim das medidas de isolamento social.

O Livre


Compartilhe Nossas Notícias