MPF pede a prisão preventiva de hacker que vazou mensagens da Lava Jato

Compartilhe Nossas Notícias

Walter Delgatti Neto invadiu celulares de juízes e procuradores e divulgar informações confidenciais da operação

(Foto: Reprodução)

O Ministério Público Federal pediu à Justiça a prisão preventiva do hacker Walter Delgatti Neto, que divulgou informações da operação Lava Jato. De acordo com a denúncia, ele roubou dados de celulares de autoridades, entre elas, o ex-juiz Sergio Moro e demais integrantes da operação.

No ofício expedido na última sexta-feira (19), o Ministério Público pede a revogação das medidas cautelares e a decretação de nova prisão preventiva de Delgatti Neto. A procuradora Melina Castro Montoya Flores argumenta que o hacker vem descumprindo as medidas cautelares.

Ainda de acordo com a procuradora, no último dia 16, Delgatti concedeu uma entrevista para um canal no YouTube. A exposição vai contra o acordo de custódia.

O criminoso virtual já havia sido preso pela Polícia Federal em julho de 2019, no âmbito da Operação Spoofing. Entretanto, em outubro do ano passado, a Justiça Federal revogou a prisão preventiva e impôs apenas limites à circulação.

Na época em que esteve preso, o hacker admitiu à PF que entrou nas contas de autoridades e que repassou mensagens ao site The Intercept Brasil, que publicou na integra o material.

Até o momento, não está definido quanto tempo o hacker ficará preso ou se conseguirá rever a decisão.

O Livre


Compartilhe Nossas Notícias