Pediatra orienta pais a não confundirem covid com dengue nas crianças

Compartilhe Nossas Notícias

SÍLVIA DEVAUX

DA REDAÇÃO

O médico pediatra Euze Márcio Souza Carvalho, que é diretor clínico do pronto atendimento da Unimed Cuiabá, faz um alerta aos pais para os cuidados com o diagnóstico de dengue nas crianças, neste período de pandemia da covid-19.

As duas doenças são causadas por infecções virais, que se manifestam com sintomas muito semelhantes, como febre, dor no corpo e dor de cabeça, mas que são transmitidas de formas completamente diferentes.

Dr. Euze orienta inicialmente à importância de se observar a situação climatológica do lugar, se tem muito mosquito ou casos próximos que teve quadro de dengue. “A gente geralmente se referencia pela história clínica e epidemiológica, e em alguns sintomas”.

O maior cuidado, assinala o especialista, é para a dengue nos pequenos, principalmente a febre hemorrágica da dengue que preocupa mais. “Porque tem seu momento hemorrágico que preocupa mais e o não cuidado a tempo, às vezes, pode levar a óbito”.

Reprodução

Euze Márcio Souza Carvalho,

 Médico orienta para a importância de buscar atendimento

Ele destaca que mesmo agora na crise pandêmica a dengue continua ocorrendo, não deixou de existir, e que muitas vezes pode ser confundida com a covid.

“Mas a dengue está mais ligada aos fenômenos climatológicos, com manchas na pele embora apesar de ser parecido com a outra doença, mas o estado geral é bom, no caso da criança”, observou.

Para diferenciar as duas, o pediatra orienta a buscar atendimento médico para, então, fazer exame simples de sangue, que mostra se houve alteração no hemograma, como a diminuição das plaquetas que no caso da dengue é o principal indício.

“Às vezes, os pais deixam de levar para atendimento médico por acreditar se tratar de sintomas leves, o que pode levar aos casos de dengue hemorrágica, a ter complicações”, alerta ainda.

A recomendação é jamais se automedicar, principalmente na vigência de febre e machas na pele que são sintomas semelhantes a ambas. “É importante no estado geral levar ao atendimento médico de saúde, avaliar e fazer o diagnóstico e o tratamento o quanto mais precoce possível”.

Repórter MT


Compartilhe Nossas Notícias