PF aguarda autorização para seguir investigando membros do PSDB delatados por ex-secretário

Compartilhe Nossas Notícias

A Justiça Eleitoral pediu manifestação do Ministério Público (MPE) sobre a possibilidade de prorrogação de inquéritos envolvendo nome conhecidos no cenário político: Nilson Leitão, Wilson Santos, Carlos Avalone e Guilherme Maluf.

As investigações estão relacionadas a possível caixa 2 delatado pelo ex-secretário de Educação de Mato Grosso, Perminio Pinto. Os nomes são ligados ao PSDB. Apenas Guilherme Maluf não faz parte da sigla, desfiliando-se para assumir uma cadeira de conselheiro no Tribunal de Contas (TCE).

Caso o Ministério Público Eleitoral se manifeste de forma favorável, os inquéritos serão reencaminhados ao delegado da Polícia Federal (PF) que conduz os casos. “Autos ao Ministério Público Eleitoral para apreciação do pedido de dilação de prazo. Retornando os autos e havendo concessão, remessa direta à Polícia Federal para prosseguimento das investigação, sem colheita de novo despacho”, determinou a Justiça Eleitoral.

Segundo os autos, Permínio delatou que, durante a campanha eleitoral do ano de 2014, a pedido do estão deputado federal Nilson Leitão, recebeu em sua própria conta bancária o valor de R$ 175 mil, divididos em três depósitos: R$ 40 mil, R$ 60 mil e R$ 75 mil.

Conforme delação de Permínio, o valor, segundo declarado por Nilson Leitão na ocasião, teria sido dividido entre Wilson Santos, Carlos Avalone e Guilherme Maluf, então candidatos ao cargo de deputado estadual. Todos os nomes pertenciam ao PSDB. Foram instaurados Inquérito Policiais específicos para cada um dos citados.

OLHAR DIRETO



AconteceMT


Compartilhe Nossas Notícias