Tratamento adotado por Paulo Gustavo custa R$ 30 mil e foi barrado no SUS

Compartilhe Nossas Notícias

O DIA

Em entrevista à CNN, Ludhmila Hajjar contou que o tratamento ECMO para Covid-19, feito por Paulo Gustavo, custa R$ 30 mil e foi barrado no SUS (Sistema Único de Saúde) em 2015. “Muita gente não tem a chance de ser tratado numa ótima estrutura, como Paulo Gustavo, nem tem chance de ter a ECMO, dispositivo relativamente caro”, disse a médica, que complementou: “Não se consegue fazer ECMO em alta escala no SUS”.

Na entrevista, a cardiologista afirmou que, na época, a Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS) não permitiu o uso desse tipo de tratamento devido o alto valor. “Sempre se pondera muito o custo, a efetividade, o momento que o país está passando e a economia. Hoje, eu diria que boa parte das vidas que estão sendo salvas no Brasil se devem a esse dispositivo”.

Ludhmila Hajjar ainda explicou como funciona a ECMO. Segundo ela, é uma técnica usada há décadas para pacientes com pneumonias graves e que, agora, tem sido adaptada para pacientes com covid-19. “[A técnica] tem dois objetivos: oxigenar e eliminar o gás carbônico do sangue e gerar repouso adequado ao paciente para que a gente recupere o pulmão”, disse a médica, que ainda contou que o tratamento pode ser utilizado por diferentes períodos, que podem variar de 14 a 25 dias. “É o tempo que o organismo precisa para se recuperar. Quando o paciente tem o pulmão inflamado pela covid, ele fica duro e cheio de água”.

 

Repórter MT


Compartilhe Nossas Notícias